artigos originais

Retorno Financeiro de Medidas de Eficiência Energética

Disponibilizo aqui o artigo que escrevi para o MBA que concluí em 2018. Que possa contribuir para os estudiosos desta área. Link na Figura abaixo!

Título: Estudo do Retorno Financeiro de Medidas de Eficiência Energética e Geração Própria em Residências

Resumo: Por meio desta pesquisa pretende-se fornecer ao profissional de energia subsídios práticos para calcular e avaliar o retorno financeiro de algumas medidas que visam a eficiência energética elétrica em residências, no âmbito da iluminação, da envoltória e da climatização e na adoção de fontes alternativas. Em resposta à questão: quanto, em reais, o responsável de uma residência poderá gastar, em média, para cada uma destas medidas, qual o impacto positivo imediato na conta e qual o payback (tempo de retorno) sobre este investimento? A hipótese é que o payback pode ser rápido ou demorado, ou inexistente; dessa forma, a presente pesquisa tem o objetivo de saber o resultado de algumas destas medidas. Para desenvolver a pesquisa utilizou-se pesquisa bibliográfica, dados fornecidos pelo PROCEL (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica), e preços mais atuais de produtos e kits elétricos em lojas online de confiança. Os resultados obtidos possibilitam contribuir com a urgente diminuição da demanda de energia elétrica, uma vez que o profissional de energia é capaz de fornecer ao consumidor final informações concisas para que ele consiga economizar neste âmbito e, se ele se interessar pela geração própria, pode repensar o dimensionamento da mesma após a implantação de outras medidas. Concluiu-se que é possível reduzir a conta de energia por meio de medidas pouco despendiosas que fornecerão um payback menor que o da implantação de geração própria. 

Palavras-chave: Eficiência Energética. Consumo em Residências. Sustentabilidade. Energia Solar. Lâmpadas LED.

BANNER
Clique aqui
Sistemas instalados

Sistema off-grid instalado e cliente satisfeito!

Neste carnaval, instalamos um sistema de energia solar em uma região isolada no interior do Maranhão, no município de Santo Amaro, em uma região da cidade distante dos postes da distribuidora local, a CEMAR. A demanda do cliente é relativamente baixa, foram instaladas duas placas solares com potência total de 640Wp, e foram utilizadas duas baterias totalizando 210Ah (20h). Segue algumas fotos.

 

Trabalho concluído e cliente satisfeito!

artigos originais

Mulheres Solares

É notório que as mulheres tem um interesse menor que os homens na área de energia! Uma pesquisa um pouco mais demorada pelos vídeos do youtube nos faz constatar que as mulheres praticamente não se envolvem nesse assunto. Sem entrar muito nas diferenças entre o homem e a mulher e em questões feministas, é consenso que o interesse das mulheres

ppé maior em trabalhos que envolvem mais sua sensibilidade, como artesanato, beleza, escrita etc. Eu também não sou diferente, mesmo assim resolvi lançar-me numa área mais técnica pois via que tinha habilidade diferenciada em exatas. Porém sinto na pele a dificuldade de entender certos conceitos técnicos que para os homens são abstraídos com rapidez. É ilusão pensar que podemos ser iguais em tudo.

Porém, a visão feminina muitas vezes vai além da masculina de maneira que ambas podem ser complementares; nós somos são capazes igualmente de interpretar um projeto e colocá-lo em execução, da nossa forma. Não foi a toa que consegui concluir, em universidade federal, um curso de engenharia que para muitos é estranho ser feito por mulher, e inclusive estava entre as melhores. Resolvi não ver essa barreira das mulheres com conceitos técnicos como uma dificuldade, afinal, não preciso trabalhar sozinha e no que eu tiver dificuldade sei que posso contar com ajuda de excelentes profissionais, principalmente eletricistas que tem uma habilidade impressionante.

A ideia de trabalhar com energia solar para mim veio diante da demanda que temos ouvido diariamente, mas confesso que fiquei preocupada se realmente daria certo pois eu teria que colocar a mão na massa, ou seja, subir nos telhados, carregar peso, montar quadros de energia etc. Inclusive até cheguei a desabafar num grupo de facebook de instaladores, e as pessoas foram bem compreensivas e receptivas. Descobri várias engenheiras que trabalham com isso, e me incentivaram a continuar (com exceção de uma que falou comigo inbox, que concordava que era difícil). Comprei os EPIs, comecei a fazer os cursos necessários, e sei que sou capaz de exercer minha profissão que demorei tantos anos para conseguir.

Acho positivo atualmente essa oportunidade que as mulheres têm de mostrarem-se capazes de exercer esse tipo de profissão, e concordo com o incentivo. Mas o conceito atual de empoderamento feminino dá uma ideia de que as mulheres tem um papel igual aos dos homens na sociedade, inclusive no que diz respeito ao cuidado com os filhos, e por isso não gosto muito. Ainda que sejamos capazes de trabalhar normalmente, não é justo considerar o papel materno como secundário, pois o outro papel, de profissional, deveria estar em função deste, quando a mulher tem filhos, pois exige de nós muito mais que apenas o sustento (quem é mãe sabe!).

De qualquer maneira, estou muito animada para trabalhar nesta área e tenho contado com muito apoio e incentivo de familiares e amigos, e espero de todos a confiança para um trabalho que será desempenhado com muita atenção e propriedade!

Atenciosamente,

Eng. Amanda Lima

31/01/19

artigos originais

Riscos de Instalar Por Conta Própria

Com tanto incentivo para o uso da energia solar, é natural que as pessoas pesquisem meios de instalar gastando o mínimo possível. E quem procura encontra infinitos artigos e vídeos, mostrando que tudo é muito simples, e inclusive a própria pessoa pode subir no telhado, botar as placas, conectar o inversor na tomada e pronto!

Pode até parecer para alguns que é perseguição dos engenheiros, que querem lucrar com isso, mas na verdade o que envolve geração, transmissão e distribuição de energia necessita de um engenheiro eletricista para certificar o funcionamento, pois existem muitos fatores envolvidos que podem por em sério risco a vida das pessoas e causar perdas de equipamentos. Você pode até se arriscar e acabar funcionando, se você é destes curiosos que já tem hábito de se aventurar com eletricidade, e inclusive admiro. Mas vão aí alguns tópicos que provavelmente um engenheiro eletricista dimensionaria da forma mais correta e direcionado para sua aplicação específica:

  • O dimensionamento da bitola dos cabos, que varia em cada trecho do circuito e se mal dimensionado pode derreter e causar incêndio;
  • O dimensionamento dos equipamentos de proteção, os quais não vêm com os kits prontos que são vendidos e podem acabar sendo ignorados, porém sem eles o sistema fica a mercê de descargas atmosféricas e picos de tensão ou corrente que podem queimar os [caros] componentes do kit e os cabos, e além disso o dimensionamento do lado de corrente contínua é diferente do lado de corrente alternada;
  • O correto aterramento do sistema fotovoltaico bem como do suporte das placas, que é obrigatório por norma a fim de proteger não só as pessoas como também os elementos do kit, e que nem sempre pode ser conectado à mesma haste de aterramento do edifício;
  • A correta disposição e distribuição dos painéis para que o sistema  possa gerar a maior quantidade de energia possível e não haja também o risco de sobrecarregar o telhado e fazê-lo ceder.

Além dessas questões, há outros riscos que devem ser levados em consideração:

  • O risco de os painéis caírem na hora de subir ao telhado, visto que são pesados e não possuem uma forma fácil de carregar se não por meio de cintas de içamento por exemplo;
  • O risco de você cair ou se acidentar caso não tenha os equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados e o devido preparo das normas NR 35 (trabalhos em altura) e NR 10 (serviços com eletricidade).

Se um funcionário cai sob supervisão de um engenheiro e está sem os EPIs, quem é responsabilizado é o engenheiro, o quão grave é a exigência do uso destes equipamentos.

Por estes motivos, as distribuidoras de energia, antes de trocar o medidor de energia pelo que mede também a energia que você gera, exige que seu sistema esteja assinado por um engenheiro eletricista.

A conclusão é que, por mais que seja desagradável no momento pagar cerca de 20% a mais para que um profissional faça o trabalho para você ou com você, não será em vão pela garantia de que seu sistema durará mais tempo e estará mais protegido.

É isso, espero que tenha sido útil, se gostou do artigo deixe um comentário, grande abraço!

 

artigos originais, atualidades sobre energia solar

Resumo da Pesquisa Completa Sobre a Energia Solar em 2017 (Instituto Ideal)

O instituto Ideal tem realizado uma pequisa bastante detalhada sobre a energia solar  nos últimos 5 anos. Trata-se de uma organização privada brasileira sem fins lucrativos que atua na promoção de energias renováveis. Pela última pesquisa, referente ao ano de 2017, é possível ter uma boa noção das tendências atuais da energia solar. Veja alguns gráficos selecionados:

aw_tempo de atuação

Pelo gráfico acima podemos ver que os últimos 2 anos foi o período de “boom” do surgimento de empresas de energia solar, causado exatamente pela grande procura por esta tecnologia e melhora da viabilidade da instalação, em termos de custo, rapidez e pessoal capacitado.

aw_região

Vemos no gráfico acima que as regiões onde mais existem empresas de energia solar são localizadas no sul e sudeste, onde de fato o desenvolvimento tecnológico é mais rápido e estão localizados os maiores centros tecnológicos, e também é onde chegam inicialmente os materiais importados quem compõem o sistema.

 

aw_segmento

O principal segmento de atuação das empresas de energia solar é a residencial, mesmo porque as edificações residenciais são as mais numerosas e seu tempo da implementação do sistema em residências costuma ser menor, já que a demanda de energia se restringe à quantidade de moradores. Em seguida vem o seguimento comercial, que vê na energia solar não só uma forma de economizar, mas também de mostrar aos clientes a pegada ecológica que a empresa proporciona, utilizando energia limpa.

 

aw_tempoconclusão

Vemos no gráfico acima o quanto reduziu o tempo para a conclusão: 6 meses em 2013 para pouco mais de 2 meses em 2017. Os prazos máximos para execução de cada etapa do processo pela distribuidora, no caso de sistema conectado à rede de distribuição local, são estabelecidos por normas, e portanto a empresa instaladora geralmente depende apenas da finalização da parte da distribuidora para realizar a sua parte. As seguintes atividades da distribuidora estão previstas: emitir parecer de acesso; fazer a vistoria da instalação; entregar o relatório da vistoria; aprovar e efetivar a conexão – 34 dias para microgeração e de 49 dias para minigeração. Se houver a necessidade de obras na rede, o prazo do parecer de acesso aumenta em 15 dias para microgeração e em 30 dias para minigeração, tornando maior, também, o prazo total do processo.

 

aw_custototal

Como se pode ver, mais de 50% do custo do sistema está nos módulos e nos inversores, que são os elementos mais importantes do sistema. Outros custos que podem acabar por passar batido, mas que são essenciais, somam 27% do custo total, que são as estruturas metálicas de suporte (sem as quais o sistema poderia estar suscetível a diversos problemas), custos e despesas administrativas (que são a emissão e elaboração de documentos, deslocamentos e despesas fixas do instalador) e componentes elétricos (que vai depender da situação da instalação inicial).

artigos originais, vantagens da energia solar

Porque instalar um sistema FV?

Todos temos acompanhado nos meios de comunicação o crescimento da procura por esta forma de energia. De fato, cada vez mais pesquisadores tem trabalhado para o desenvolvimento de componentes mais eficientes e mais baratos e, por isso, tem se tornado mais viável sua instalação em massa.

panfleto porque instalar

Assim como um investimento em um veículo, o sistema fotovoltaico já começa a lhe dar um retorno imediato: no caso do veículo, o retorno é pelo conforto e pelo tempo que não é gasto em paradas de ônibus por exemplo (o custo com gasolina e passagens acabaria saindo o mesmo); já no sistema FV,  o retorno é de fato financeiro, visto que a redução do valor pago para uma concessionária de energia é vista mensalmente. Diferentemente de um carro, depois que você termina de pagar, continua realmente ganhando dinheiro, visto que não estará gastando com a energia, ao passo que um carro, além das manutenções frequentes, talvez precise ser trocado por outro após terminar de pagar.

 Quando se fala em um gasto de mais de R$8mil, para uma família, é natural vir o medo de um gasto com algo desconhecido, no entanto, se há um planejamento, no sentido de se ter uma renda estável e bem administrada, é certeza de que é um investimento válido. Se colocássemos, por exemplo, R$10mil reais na poupança, após 24 meses teríamos recebido de juros R$1.235,85 (¹).  Já se contratássemos um sistema FV de R$10mil, economizando aprox. R$130,00 por mês, após 24 meses, teríamos de retorno já R$3.288,00 (²).  É claro que esse valor vai depender da variação da tarifa de energia da cidade e da irradiação do sol que nela incide, e ambos este fatores têm sido favoráveis para o Brasil (quanto mais altas as tarifas e a irradiação, mais vantajoso é o SFV). Podemos ver na figura abaixo que a tarifa de energia aumentou a cada ano desde 2008:

 

Como se não bastasse ao final do ciclo de vida do sistema (que é de pelo menos 25 anos) você ter no bolso pelo menos o dobro do que foi gasto, ele ainda te dá a consciência de estar usando uma energia limpa. Isso porque a matriz elétrica mais usada no Brasil (³) é a de hidrelétricas, que, embora seja renovável, não é considerada totalmente limpa devido a emissão de gás carbônico nas áreas alagadas, e nos períodos de estiagem a matriz usada é principalmente a térmica, também emissora do gás.

matriz eletrica epe

Fiz também um breve vídeo citando estas vantagens, está na página da AWConnect no Youtube. Se você gostou, ou quiser tirar dúvidas, contate-nos para um orçamento e instalação do sistema em sua casa 😉

Atenciosamente, eng. Amanda Lima

São Luís, 18 de setembro de 2018.

 

¹ – Cálculo feito pelo site http://simuladordepoupanca.net/
² – Considerando um sistema de 1.4kWp, irradiação 5,5kWh/m², e a tarifa média de R$0,74/kWh.
³ – Dados da Empresa Pesquisa Energética